Colabore com o blogue

A partilha de informações e novidades são uma óptima forma de conhecermos melhor o local onde vivemos. Se tiver interesse em colaborar com o blogue, por favor envie as suas mensagens para o nosso contacto.
Para conseguirmos ter o que comprámos, é dever de todos os vizinhos zelar pelo cumprimento do plano de urbanização do Casal de Vila Chã e a correcção de erros já detectados.

Acompanhe os comentários a Promessas por cumprir.

segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Licença de utilização da habitação

Boa tarde,

No meu prédio, aqui no bairro, surgiu um problema com a licença de utilização do prédio, mais propriamente com a inexistência desta. O construtor ainda fez o pedido inicial da licença de utilização, mas depois não pagou as taxas respectivas nem avançou como o formulário último que acompanha o comprovativo do pagamento das taxas para então se obter a licença de utilização. Esta licença não é obrigatória na primeira escritura (entre construtor e 1º proprietário) mas é indispensável em venda ou arrendamento futuro.

Na reunião que tive na CMA foi me dito que nosso bairro há mais casos destes... ou ainda piores de prédios que nem têm a habilitação de propriedade horizontal.


____
Nota: e-mail enviado por Pedro Ribeiro

domingo, 30 de Março de 2014

Deco alerta para 'prática ilegal' de seguradoras na comprovação de intempéries

A associação de defesa dos consumidores Deco alerta para a eventual prática ilegal de seguradoras que exigem comprovação de intempéries "amplamente divulgadas" para activação de seguros multirrisco-habitação.

Segundo a jurista da Deco Carla Varela, responsável do departamento de estudos da associação, as seguradoras poderão estar a incorrer em "práticas desleais e agressivas", e por isso "ilegais", quando exigem "um elemento de prova" perante fenómenos climáticos divulgados publicamente.

"Nas situações de conhecimento geral, em que o caso em concreto é amplamente divulgado, parece-nos que a exigência de mais um elemento de prova por parte da seguradora poderá consubstanciar uma prática desleal e agressiva, portanto, ilegal", disse, em declarações à Lusa.

Em causa estão situações como a de António Soares, residente na ilha do Faial, nos Açores, que teve danos materiais na sequência de uma tempestade que assolou a região no dia 13 de Fevereiro, tendo-lhe a sua seguradora solicitado uma "declaração meteorológica" para atestar a intempérie.

Em explicações à Lusa, António Soares referiu ter "desistido" de accionar o seguro devido ao valor "absurdo e exagerado" pedido pela entidade competente para a referida certificação, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

"Recebi um orçamento do custo da certidão meteorológica, para os dias 13 e 14 de Fevereiro, no valor de 101,90 euros, que achei um absurdo e um exagero", disse, referindo que o pagamento da franquia e da certidão "não compensavam" o prejuízo que teve e que "na altura não estava bem informado" dos seus direitos.

Em casos como este, a jurista da Deco reforça que "não é razoável" que as seguradoras façam recair os gastos dessa prova sobre o consumidor.

"Sendo certo que o ónus da prova até é do consumidor, a verdade é que para determinadas situações que, pelo impacto e dimensão, são amplamente divulgadas e do conhecimento geral não é e todo razoável que as seguradoras peçam, exijam estes certificados aos segurados, aos consumidores", disse Carla Varela.

Porém, em situações "mais pontuais", poderá haver necessidade de apresentação de elementos de prova, ressalvou a jurista, referindo que "em última instância", sempre que "não estão a ser respeitadas as condições contratuais", os consumidores podem denunciar e reclamar junto da entidade reguladora do sector, o Instituto de Seguros de Portugal.

Em relação aos preços praticados pelo IPMA, a jurista da Deco apela à "correspondência" entre o serviço e o valor cobrado.

"O que nos importa é a razoabilidade destes valores, na medida e que haja uma correspondência entre o serviço que é prestado e o que é cobrado ao consumidor, ou seja, uma justificação financeira e económica destes montantes", afirmou.

Segundo a tabela de preços praticadas pelo IPMA, publicadas a 05 de Março em Diário da República, as certidões meteorológicas para terra têm um custo fixo de 58,16 euros, com um custo variável, por dia, local e parâmetro (por exemplo, vento, precipitação, ondulação) de 9,40 euros. As certidões para mar junto à costa podem chegar aos 149,50 euros e as referentes a alto mar 172,50 euros.

_____
Fonte: Lusa/SOL, 30-03-2014

Amadora quer prolongar carreiras da Carris até à Reboleira

A presidente da Câmara da Amadora, Carla Tavares (PS), visitou hoje várias zonas do concelho onde estão projetadas obras de requalificação de espaços públicos.

O parque urbano Armando Romão, na Reboleira, encontra-se vedado ao meio há cerca de três anos.

O espaço vai ser requalificado pelo Metropolitano de Lisboa no âmbito da conclusão dos trabalhos de prolongamento da linha azul à Reboleira. Segundo o vereador das Obras Municipais e Espaços Verdes, Gabriel Oliveira, o projeto contempla a abertura de uma ligação viária junto ao parque e 35 lugares de estacionamento.

A área envolvente ao respiradouro do troço terminal do metro, com "70 metros de profundidade", vai ser objeto de reabilitação, nos equipamentos urbanos e na iluminação pública, numa obra financiada pelo Metropolitano, através da empreitada de prolongamento do troço da linha entre as estações de Amadora/Este e da Reboleira, com ligação à linha ferroviária de Sintra.

A presidente da autarquia apresentou depois o projeto de requalificação da Avenida D. Carlos I, que liga a Damaia à estação da Reboleira. Os dois quilómetros que separam as duas estações da CP - Comboios de Portugal vão ter quatro vias de circulação, espaços pedonais e para uso de ciclistas e zonas de estacionamento.

A obra está estimada "entre 600 a 800 mil euros" e, segundo Carla Tavares, deverá ficar pronta a tempo da abertura da estação do metro da Reboleira, "em dezembro de 2015", segundo a previsão do Metropolitano de Lisboa.

"Estamos a trabalhar com a Carris para que algumas carreiras cheguem até á estação da Reboleira", adiantou a autarca.

O interface da estação da Reboleira ficará também a cargo do Metropolitano. Carla Tavares salientou que a conclusão do prolongamento da linha azul "é uma mais-valia quer para a Amadora, quer para os moradores na Linha de Sintra".

O túnel com 579,2 metros, a estação e zona terminal estão construídos, faltando apenas os carris e acabamentos. A primeira fase custou cerca de 45 milhões de euros e a empreitada final vai orçar em mais 15 milhões de euros, "comparticipados a 100% por fundos comunitários".

A ligação do metropolitano com a linha da CP na Reboleira também "vai ajudar a aproximar as populações" que passaram a constituir a nova freguesia das Águas Livres, acredita o presidente da junta, Jaime Garcia (PS). "É uma infraestrutura que não serve só a Reboleira, mas também beneficia a Buraca e a Damaia", notou o autarca.

Carla Tavares admitiu que, no atual quadro económico, o projeto de metro de superfície dificilmente verá a luz do dia. Adiado ficará também o projetado prolongamento da rede do metropolitano até ao Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra).

A requalificação da Cova da Moura é outro projeto que vai ficar no papel, depois de o Governo ter suspendido o financiamento previsto. "A câmara não tem dinheiro para um projeto dessa dimensão", reconheceu a autarca, acrescentando que o município vai continuar a apoiar a parceria com a associação de moradores.

Apesar de lamentar a suspensão da requalificação da Cova da Moura, Carla Tavares sublinhou que o bairro faz parte da cidade e confessou-se "mais preocupada com o bairro 6 de maio", na Damaia.

_____
Fonte: Notócias ao Minuto, 21-03-2014

Apartamento T2 para alugar

Boa tarde,

O meu nome é Patrícia Teixeira, sou do Porto mas começo a trabalhar em Lisboa no início do mês e tenho bastante urgência em encontrar apartamento na zona de Vila Chã. Queria saber, por favor, se me podem indicar algum T2 para alugar na urbanização. A zona foi-me recomendada por familiares em Lisboa e que vivem ai perto. Tenho a máxima urgência em mudar.

Obrigada,

Patrícia


____
Nota: e-mail enviado por Patrícia Teixeira

segunda-feira, 10 de Março de 2014

Concurso para prolongar linha da Amadora lançado até Março

O concurso público para as obras de conclusão do prolongamento do metro no concelho da Amadora, entre as estações de Amadora Este e Reboleira, vai ser lançado até ao final de Março, disse hoje fonte do Metropolitano de Lisboa.

A assessoria de imprensa da transportadora disse à agência Lusa que está previsto o lançamento, ainda "no primeiro trimestre deste ano", do concurso público para concluir o prolongamento da linha azul do metro, entre aquelas estações.

"A obra deverá ter início no último trimestre de 2014", prevendo-se "a abertura da estação da Reboleira para Dezembro de 2015". Esta informação surge após a presidente da Câmara da Amadora, Carla Tavares (PS), ter enviado à Secretaria de Estado dos Transportes uma moção aprovada por unanimidade no executivo municipal, para que seja dada prioridade à conclusão das obras da estação do metro da Reboleira.

O prolongamento da rede do metropolitano à Reboleira permitirá estabelecer ligação com a linha ferroviária de Sintra. Segundo Francisco Santos, vereador da CDU na Câmara da Amadora, "a obra está praticamente pronta. O túnel está feito e só faltam os acabamentos".

O estudo de impacte ambiental do prolongamento do metro à Reboleira data de 2007 e no documento previa-se o início da obra em 2008 e a abertura à exploração em agosto de 2010. As obras, no entanto, foram suspensas devido a problemas de financiamento.

A empreitada estava estimada em 55 milhões de euros, comparticipados através de verbas comunitárias do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e pelo Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC).

O projecto consiste na construção de um túnel com 579,2 metros, estação e zona terminal, para a inversão dos comboios. O túnel está construído e a estação aguarda por arranjos finais, para que possa satisfazer uma procura estimada de 20.000 passageiros diários.

_____
Fonte: Económico, 07-03-2014

sexta-feira, 7 de Março de 2014

Arrendar casa II

Boa tarde,

Gostaria de alugar um apartamento com 3 quartos na vossa localização, pelo período de 3/ 4 meses (Maio a Agosto).

Agradeço a vossa atenção, ficando aguardar uma resposta com a maior brevidade.


____
Nota: e-mail enviado por Patrícia Carrilho

Arrendar casa

Boa tarde,

Procuro T2 na urbanização para arrendar. Somos pais recentes e com isso pretendemos o conforto que a Vila Chã oferece. Estamos com alguma urgência nesta procura.

Agradecemos a atenção.

Catarina Coelho Dias


____
Nota: e-mail enviado por Catarina Coelho Dias

quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2014

Fibra na Urbanizaçã​o de Vila Chã

Boa Tarde,

Sou moradora na urbanização de Vila Chã na Avenida Fernando Valle no lote 53 (ou nº 7). Várias operadoras já têm fibra na urbanização (MEO e ZON), será que alguém me poderá ajudar relativamente a qual prédio e em que Rua ou Avenida a Vodafone já instalou fibra. Ou será que a Vodafone não tem mesmo fibra na Urbanização de Vila Chã?... é que tenho instalada a ADSL e não funciona nada bem...

Será que podem me ajudar?... é que queria mudar para fibra mas a Vodafone pelos vistos está a pedir a caixa onde instalou a fibra, pelos vistos não devem ter a base de dados actualizada...

Fico agradecida se houver uma resposta a esta questão,

Obrigado


____
Nota: e-mail enviado por Maria Rosa Esteves

domingo, 2 de Fevereiro de 2014

Arrendamento T1 ou T2 na Vila Chã

Boa tarde,

Sendo este um blog da urbanização da Vila Chã gostaria de questionar se alguém tem o conhecimento de algum imóvel nesta urbanização para arrendamento (T1 ou T2), ando à procura mas não tenho encontrado nada :(. Tinha um grande interesse em arrendar nessa zona, se alguém souber de alguma coisa agradecia o contato sff, o meu mail é: yozita@gmail.com

Desde já muito obrigado,
Cumprimentos,
Vanessa


____
Nota: e-mail enviado por Vanessa Neves

domingo, 19 de Janeiro de 2014

Informaçõe​s acerca de berçário na zona Amadora

Olá Vizinhos,

Sou moradora da Urb. Vila Chã e gostaria de saber a vossa opinião quanto aos berçários que existem na nossa zona.

Estou grávida do meu primeiro bebé, por isso a modos que sou novata em tudo.... :)

Gostaria de saber as vossas recomendações, que berçários que conhecem?

Têm ideias de que preços e condições que praticam?

Estou com 5 meses e queria ir conhecer as instalações, saber como se fazem as inscrições e tudo isso, mas antes se poderem passar as vossas experiências seria muito útil...

Qualquer informação será valiosa!!!

Obrigado desde já.

Cumptos


____
Nota: e-mail enviado por Carla Santos