Colabore com o blogue

A partilha de informações e novidades são uma óptima forma de conhecermos melhor o local onde vivemos. Se tiver interesse em colaborar com o blogue, por favor envie as suas mensagens para o nosso contacto.
Para conseguirmos ter o que comprámos, é dever de todos os vizinhos zelar pelo cumprimento do plano de urbanização do Casal de Vila Chã e a correcção de erros já detectados.

Acompanhe os comentários a Promessas por cumprir.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Demolições prosseguem na Amadora com detenção de um deputado municipal

As demolições no Bairro de Santa Filomena foram retomadas esta quinta-feira perante os protestos de moradores e representantes do Bloco de Esquerda e vários activistas. A Polícia de Segurança Pública, chamada a supervisionar as movimentações desta manhã naquele bairro da Amadora, acabaria por deter um dos activistas e um deputado municipal do BE, que se encontrava no local para “fiscalizar a actuação da polícia”, de acordo com o site do Bloco.

Numa tentativa de impedir a demolição de barracas, incluída no plano de demolição que está a ser levado a cabo pela autarquia socialista, moradores e activistas formaram cordões em torno das máquinas utilizadas nos trabalhos de terraplanagem do bairro.

A PSP acabaria por deter o deputado municipal João Camargo, identificado com o cartão de deputado e exercendo funções de fiscalização.

De acordo com o BE, a detenção ocorreu depois de João Camargo ter questionado a actuação das forças de segurança, invocando uma recomendação do Provedor de Justiça no sentido de - face à falta de informação - interromper as demolições.

Em diálogo com os agentes, o deputado bloquista terá questionado a PSP “se obedecia à CM da Amadora ou à nação”. João Camargo foi então algemado e detido, o mesmo acontecendo com um dos activistas no local.

O Bloco relembra as palavras do provedor sublinhando que “revestir-se-ia de toda a utilidade que nos elucidasse acerca das razões de interesse público que possam justificar que, no atual contexto económico, em que todos os programas de apoio social se encontram suspensos, se opte pela erradicação de todo o bairro em detrimento da sua reconversão”.

Esquerda questiona razões para a demolição

No Bairro de Santa Filomena esteve também Helena Pinto, deputada bloquista na Assembleia da República. Depois das acusações deixadas ontem em São Bento, Helena Pinto voltou a apontar o dedo à autarquia socialista por – na sua opinião - não ter tomado as medidas necessárias para realojar aqueles que perderam as suas casas para as demolições.

No hemiciclo em São Bento, Helena Pinto apelava esta quarta-feira aos deputados de todas as bancadas para que tomassem posição contra as demolições, mas apenas a bancada comunista se lhe uniu no pedido de suspensão do processo. Helena Pinto pede uma "política humanista, de esquerda e socialista" e defende que "não se põem na rua velhos, crianças e pessoas que não têm para onde ir".

Sustentando que as demolições "não têm qualquer base legal", a bloquista sugere que este é um processo que apenas serve interesses imobiliários: "Basta subir o morro e percebemos ao olhar para a vista onde muito provavelmente nascerá uma urbanização de luxo".

Rita Rato, deputada do PCP, considerou o processo "inaceitável" e lembrou, também ela, as declarações do Provedor de Justiça, que recomendou a suspensão das demolições perante a falta de informação.

Por outro lado, o deputado do PSD Carlos Silva, também vereador municipal na Amadora, quis fazer uma "retrospetiva histórica" deste processo, notando que esta autarquia foi "a última a aderir" ao Programa Especial de Realojamento (PER) lançado nos anos 90 e que as famílias que não estão abrangidas "não têm direito a um lar, infelizmente".

Pelo PS, a deputada Celeste Correia defendeu a ação da Câmara Municipal, afirmando que este "não é um tema linear", em que é difícil "encontrar o tom certo e justo". A socialista referiu que a autarquia da Amadora "investiu 12 milhões de euros" nos apoios aos bairros sociais, "sem apoio do governo central", e que "a taxa de resolução do PER é de 87 por cento, faltando apenas realojar 874 agregados familiares".

"A Câmara continua empenhada em resolver os problemas e não vai suspender a execução do PER, não acha que é neste sentido e neste esforço, de Governo, autarquias e sociedade civil que temos de encontrar com bom senso a resposta a este problema?", interrogou.

O deputado do CDS João Gonçalves Pereira defendeu por seu lado que este processo "deve sobretudo ser acompanhado pela Câmara da Amadora" e que este deve ser concluído "sem nenhum tipo de injustiça social".

_____
Fonte: RTP, 26-03-2015

Mais informações em:
Dois detidos em protesto contra demolições no bairro de Santa Filomena

terça-feira, 24 de março de 2015

Bairro clandestino na Amadora a 79 demolições da erradicação

A Câmara Municipal da Amadora informou hoje que faltam 79 demolições para a erradicação total do bairro de Santa Filomena, cujos habitantes têm direito a ser realojados desde que inscritos no Programa Especial de Realojamento (PER).

Num comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia lembrou que a erradicação do bairro começou em 2012 "sem qualquer apoio da administração central" e cumprindo as "metas traçadas".

Durante a manhã de hoje, duas máquinas demoliram várias casas no local, com os moradores a queixarem-se de falta de aviso e alternativas.

No levantamento no âmbito do PER, realizado em 1993, em Santa Filomena existiam 583 agregados familiares residentes em 442 habitações precárias, num total de 1.945 residentes, segundo os dados da autarquia.

"Atualmente, já foram demolidas 336 construções, faltando 79 para finalizar a erradicação deste núcleo degradado, podendo finalmente proporcionar àqueles que se encontram inscritos no PER, uma habitação condigna", acrescentou a autarquia.

O realojamento apenas está garantido com a inscrição no PER, sublinhou a câmara, acrescentando a existência de um "atendimento integrado" a habitantes que chegaram depois de 1993 e que "carecem ainda de auxílio ou de incentivo para encontrarem uma alternativa habitacional digna".

"Estas últimas sempre foram informadas de que não teriam direito ao arrendamento de uma habitação social", lê-se num comunicado da Câmara da Amadora, que assegurou que "toda e qualquer demolição é precedida de meses de trabalho com as famílias".

Nesse contacto com os habitantes têm sido encontradas "desde famílias que possuem alternativa habitacional fora do bairro, quer através de aluguer de casas ou mesmo de realojamento no âmbito do PER inseridas no devido agregado familiar".

Outros cenários prendem-se com agregados que "já beneficiaram no passado de apoios financeiros da câmara e da Segurança Social para compra e/ou arrendamento de habitação e que decidiram regressar ao bairro" e com famílias que se "recusaram a discutir com a autarquia e todas as entidades envolvidas qualquer apoio".

Moradora no bairro há "mais de 40 anos", Ana Monteiro disse à agência Lusa ter "tudo resolvido para voltar à terra, Cabo Verde, com o marido", mas lamentou que a demolição tenha acontecido hoje e "não no final do mês" como lhe teriam dito.

Enquanto isso, um jovem gritava a sua revolta pelas demolições de hoje, com alguns ativistas do coletivo Habita a explicar que é pai de um recém-nascido e que fica sem alternativa para morar.

Eduardo António, do Habita, acrescentou que "não havia editais, nem avisos de tribunais" quanto à realização de demolições, que, num dos casos, aconteceu com as "coisas dentro de casa".

O ativista indicou ter recebido um telefonema do gabinete do provedor de Justiça, que pretende conhecer a situação, uma vez que já aconselhou a Câmara Municipal da Amadora a suspender as demolições e despejos no bairro clandestino de Santa Filomena até os moradores estarem todos realojados.

Esta fonte lembrou que o recenseamento para efeito do Programa Especial de Realojamento (PER) remonta a 1993 e, embora revisto posteriormente, "já não pode servir de critério seguro para diferenciar os moradores a realojar".

_____
Fonte: Diário de Notícias, 24-03-2015

sábado, 21 de março de 2015

Crédito à habitação: o que acontece à prestação se a Euribor descer mais

Se a prestação da sua casa está indexada à Euribor a 3 meses, pode estar prestes a enfrentar uma situação insólita. A taxa tem vindo a descer dia após dia e aproxima-se cada vez mais de terreno negativo. A questão que se coloca desde já é saber como fará o banco o cálculo da sua prestação se a Euribor cair efetivamente para valores abaixo de zero.

A questão poderá ainda colocar-se para as casas contratadas com crédito indexado à Euribor a 6 meses. Esta taxa segue já abaixo dos 0,1% e se a tendência decrescente se mantiver, poderá chegar também a valores negativos.

Para calcular a prestação mensal da sua casa, o banco aplica-lhe uma taxa de financiamento indexada à Euribor e adiciona-lhe ainda a sua margem (o spread). Perante este cenário de iminência de indexantes negativos para o crédito à habitação, o Millennium bcp, o Montepio e o Santander Totta anunciaram já que uma eventual taxa Euribor negativa será sempre arredondada para zero. Nesse caso, estes bancos apenas aplicarão aos clientes a taxa referente ao spread.

Por exemplo, num crédito de 150 mil euros contratado a 30 anos, com um spread de 0,3% e indexado à Euribor a 3 meses já negativa, a prestação da casa estacionaria nos 435,75 euros mensais, que seria o valor a cobrar se a Euribor fosse igual a zero.

A DECO não concorda com esta nova forma de cálculo e considera que a eventual descida da Euribor para valores negativos deve influenciar a variação da prestação do crédito à habitação. Neste caso, a Euribor negativa deveria ser refletida na taxa dos contratos, absorvendo parte do spread até ao limite do seu valor.

No mesmo exemplo anterior, para um crédito de 150 mil euros contratado a 30 anos, com um spread de 0,3% e indexado à Euribor a 3 meses que descesse até aos -0,3%, a prestação mensal baixaria até aos 416,37 euros. Só aí o valor da taxa ficaria em 0%, para não desvirtuar o conceito subjacente ao crédito.

Até ao momento, não é conhecida qualquer recomendação oficial do Banco de Portugal sobre esta matéria.

_____
Fonte: DECO, 12-03-2015

quarta-feira, 18 de março de 2015

Famílias podem manter contratos de luz e gás pelo menos até 2017

Pelo menos até 2017, as famílias vão poder manter os contratos de electricidade e gás natural no mercado regulado, onde as tarifas são fixadas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, avança o Diário Económico.

O objectivo, explica o jornal, é dar tempo ao sector para amadurecer, criando condições para o aparecimento de ofertas de energia mais competitivas.

O anterior calendário previa que até 31 de Dezembro de 2014 quem tivesse potências contratadas iguais ou superiores a 10,35 kVA teria de procurar um fornecedor alternativo. Abaixo dessa potência, o prazo era até 31 de Dezembro de 2015.

No gás natural o cenário era idêntico. Para consumos superiores ou iguais a dez mil metros cúbicos anuais a saída do mercado regulado deveria ocorrer até ao final do ano passado. Até Dezembro de 2015 era a vez dos clientes com consumos inferiores.

Ao Diário Económico, o secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, garantiu que pelo menos até final de 2017 "o Governo vai permitir que as pessoas continuem a escolher a melhor oferta e, se for preciso, dá-se outro prazo porque o objectivo não é cortar a luz a ninguém".

No final de 2014 havia cerca de 3,6 milhões de clientes de electricidade no mercado livre. No gás natural o número de famílias que mudaram para o regime de preços livres era de 825 mil.

_____
Fonte: Jornal de Notícias, 16-03-2015

sexta-feira, 13 de março de 2015

Contratos de luz e gás vão ser iguais e mais fáceis de ler

A medida entra em vigor já em abril deste ano e a partir dessa data todos os comercializadores do mercado vão ter de apresentar aos seus futuros clientes uma ficha padronizada, desenvolvida pelo regulador, onde têm de constar, de forma clara e simples, todas as informações relevantes do contrato.

Os contratos atuais vão continuar a existir, mas o consumidor passa a poder ler apenas esta nova ficha que terá apenas duas páginas de informações claras e distribuídas por pontos em vez das 20 páginas cheias de texto com letras pequenas e dados muito técnicos que existem nesses contratos antigos, reparou um dos responsáveis da ERSE, Eduardo Teixeira.

"Há mais de 50 ofertas de eletricidade e gás no mercado livre, por isso, há concorrência, mas isto torna a informação mais dispersa e esta ficha pretende clarificar essa informação e permitir que o consumidor tome uma decisão mais informada e consciente", disse o presidente da ERSE, Vítor Santos à margem das celebrações do dia do consumidor.

Para este responsável, a passagem para o mercado livre está a correr muito bem, mas é de facto necessário haver uma centralização e clarificação da informação e foi isso que se decidiu fazer com esta ficha agora criada.

O regulador de energia anunciou também hoje que será criado um grupo de trabalho juntamente com as várias associações de defesa do consumidor que terá como objetivo enviar situações de conflito entre cliente e empresa para centros de arbitragem, evitando que esses casos tenham de recorrer aos tribunais e a sua resolução se arraste por mais tempo.

Reclamações podem descer com esta nova ficha

O número de reclamações que o regulador tem recebido tem vindo a aumentar desde que a liberalização do mercado arrancou a sério, mas segundo Vítor Santos não tem a ver com o mau funcionamento do mercado, mas sim com o facto das pessoas estarem mais informadas.

"O processo de liberalização deu um protagonismo muito grande e um papel muito ativo ao consumidor e tornou-o mais exigente e, por isso, reclama mais", adiantou.

Segundo Eduardo Teixeira, que diz que os dados mais detalhados sobre as reclamações serão divulgados em abril, há muitos tipos de reclamações mas as mais comuns estão relacionadas com as fases de contratação, com valores repetidos que aparecem nas contas ou com as estimativas de valor.

"Temos de perceber que 40% dos contadores que existem no país estão dentro das casas e por isso as empresas têm de recorrer às estimativas", comentou.

Contudo, repara o mesmo responsável, com esta ficha padronizada é expectável que o número de reclamações venha a descer.

_____
Fonte: Dinheiro Vivo, 12-03-2015

terça-feira, 10 de março de 2015

Fatura do IMI começa a chegar com aumentos até 500%

Os proprietários vão começar a receber nos próximos dias nas suas caixas de Correio as notificações para pagarem o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). E desta vez, não vão poder contar com a cláusula de salvaguarda que, nos últimos dois anos, limitou a um máximo de 75 euros o aumento do imposto para as casas reavaliadas. Em média, a fatura a pagar em 2015 será entre 35% e 40% mais cara. Mas, em alguns casos, os aumentos vão chegar até aos 500%. É para pagar já em abril.

"Depois da reavaliação dos imóveis, o agravamento médio do IMI deveria rondar 350% a 400%, mas a cláusula de salvaguarda ajudou a diluir estes aumentos. Agora, prevê-se uma subida média na ordem dos 35% a 40%", afirmou ao Dinheiro Vivo, Domingues de Azevedo, Bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas (OTOC).

Mas há exemplos de agravamentos bem acima deste número. Domingues de Azevedo admite que, no seu caso pessoal, chegou a ver o IMI de um prédio urbano do qual é proprietário subir mais de 500%. "Os prédios comprados no ano 2000, o que é bastante recente, já sofrem um aumento significativo", admite.

Luís Menezes Leitão, da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP), vai mais longe. "Dois terços dos imóveis - de um total de cinco milhões - tinham uma avaliação antiga. E conhecemos casos em que o valor patrimonial subiu 1000% e 8000%. Este aumento vai agora ser refletido no valor do IMI", explica ao Dinheiro Vivo, receando que "muitas famílias não consigam pagar o imposto e que acabem por perder as casas para o banco".

Luís Lima, da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), também não tem dúvidas. "As famílias não estão preparadas para suportar aumentos destes. O património não pode ser visto pelo Estado como a árvore das patacas".

"Ainda é muito cedo para perceber que impacto terá" o fim da cláusula de salvaguarda, admite Luís Lima, mas lembra que "nos últimos dois anos alertámos o Governo para a dificuldade que será pagar os valores resultantes da reavaliação geral de imóveis. Estou impaciente para ver as primeiras cartas a chegar. Temo que o IMI se torne mais um fator de pressão para os orçamentos das famílias portuguesas".

O governo contrapõe. "A extensão desta cláusula podia até violar o princípio da igualdade porque as famílias que já beneficiaram dela nos primeiros dois anos não teriam acesso a esta extensão", afirmou Paulo Núncio, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, em entrevista ao DN no início de janeiro, acentuando que a manutenção deste travão seria sinónimo de um tratamento distinto das "famílias abrangidas pelo mesmo processo de avaliação".

Nas contas do governo, a maioria dos proprietários das casas alvo do processo geral de avaliação já esgotou o efeito da cláusula de salvaguarda nos últimos dois anos, pelo que o universo dos que terão um agravamento do IMI rondará apenas os 30%. Sem dizer dizer quantas famílias vão pagar mais.

A realidade é que o Executivo prevê um crescimento de 10,1% na receita de IMI em 2015. A expectativa é que o valor arrecadado pelos cofres do Estado possa atingir 1,63 mil milhões de euros, contra apenas 1,48 mil milhões no ano passado. Nestes cálculos, o governo estabeleceu ainda que 350 mil portugueses possam beneficiar de uma isenção de IMI por carência económica. São mais 50 mil do que em 2014.

Os proprietários não estão otimista. "Pode ser que me engane, mas temo que para além do fim do travão, muitas cartas venham sem isenção", admite Luís Lima. "Não custava estender a isenção por mais um ou dois anos", defende Domingues de Azevedo. Até porque "o governo fica apenas com uma percentagem pequena do imposto cobrado, o restante vai para as autarquias".

Luís Lima lembra que, do lado das autarquias, foi dado um sinal claro de que "as famílias não estão em condições de pagar mais imposto". A grande maioria optou por não agravar o imposto e cobrar a taxa mínima de IMI (0,3%). Ao todo, das 303 autarquias do país, nada menos de 135 encostaram o IMI à taxa mínima.

Luís Menezes Leitão recorda que, embora as taxas de IMI tenham baixado para valores entre 0,3% e 0,5%, no período pré-troika eram inferiores e variavam entre 0,2% e 0,4%. "É um imposto muito injusto porque faz-se cobrar junto de quem não tira, muitas vezes, qualquer rendimento sobre o imóvel. É apenas a casa onde moram".

_____
Fonte: Dinheiro Vivo, 09-03-2015

domingo, 8 de março de 2015

Amadora: 24 bairros já foram demolidos

A Câmara da Amadora anunciou esta sexta-feira que, na sequência da adesão ao Programa Especial de Realojamento (PER), em 1995, já foram realojadas 2.317 famílias e erradicados 24 bairros degradados no município.

O esclarecimento da autarquia, através de comunicado, surgiu após a recusa, pela Assembleia Municipal, já na madrugada de hoje, de uma moção proposta pela CDU e pelo Bloco de Esquerda (BE) para a suspensão dos despejos e das demolições nos bairros degradados.

Segundo o levantamento realizado às barracas no município, no âmbito do PER, «em 1997 existiam 6.721 agregados familiares a residir em 35 núcleos degradados», informou a autarquia.

«Das 6.721 famílias, 2.410 foram, ao longo dos anos, excluídas do PER por possuírem alternativa habitacional ou já não residirem nos referidos bairros», acrescentou o comunicado da Câmara da Amadora.

Até ao momento, a autarquia investiu 11,627 milhões de euros em diversos programas habitacionais, envolvendo alternativas habitacionais para 1.096 famílias, nomeadamente o PER Famílias, que abrangeu 435 agregados.

O Programa de Apoio ao Auto Realojamento (PAAR), com subsídio para aquisição de casa própria, beneficiou 574 agregados, enquanto 38 foram apoiados pelo PAAR + e 49 aderiram ao Programa Retorno, optando por regressar ao país de origem.

«A taxa de resolução do PER é, atualmente, de 86,64%, faltando apenas realojar 898 agregados familiares», adiantou a nota da autarquia.

Apesar da dificuldade em concretizar o PER, a falta de terrenos para a construção de habitação social não pode permitir a subsistência de bairros que constituem «bolsas de exclusão e desfragmentação social e territorial», lê-se no documento.

Em relação aos agregados não recenseados no PER, a autarquia criou um modelo de atendimento integrado com outras instituições – Segurança Social, Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural e Embaixada de Cabo Verde –, para «analisar a situação e necessidades de cada família em concreto».

Segundo a autarquia, o Estado não previu «qualquer contribuição dos proprietários» na solução dos bairros de barracas e os tribunais têm conferido «a total legalidade da ação municipal».

«Está ao alcance das diversas instituições propor ao Governo alterações legislativas e sensibilizar a administração central a cumprir o seu programa, criado para terminar com um flagelo social que é o da habitação precária», frisou a nota camarária, concluindo que «não vai suspender a execução do PER».

O comunicado foi emitido na sequência de uma proposta dos grupos municipais da CDU e do BE, chumbada na Assembleia Municipal, para a suspensão dos despejos nos bairros e para que a autarquia «intervenha junto do Governo» para garantir «recursos necessários para a atualização do PER».

A proposta apoiou-se no entendimento do provedor de Justiça, José de Faria Costa, de que «só por razões de ordem pública urbanística se podiam justificar as demolições», mas que, mesmo nesse caso, «essas razões deveriam soçobrar perante a atual conjuntura económica».

A posição do provedor respondeu a uma queixa apresentada pela Habita - Associação pelos Direitos à Habitação e à Cidade, em junho de 2014, no sentido de suspender as demolições no bairro de Santa Filomena.

_____
Fonte: TVI24, 06-03-2015

sábado, 7 de março de 2015

Palmeiras da Avenida Laura Ayres e Avenida das Palmeiras

E-mail enviado por José Felícia, em 26-02-2015, à Câmara Municipal da Amadora e ao Gabinete da Presidência com o conhecimento do Gabinete do Vereador Gabriel Oliveira, Departamento de Obras Municipais, Divisão de Arruamentos, Iluminação Pública e Espaços Verdes, Assembleia Municipal da Amadora, Junta de Freguesia de Mina de Água e do nosso blogue:

Boa tarde,

Mais uma vez... e na sequência das vossas respostas de que estariam à espera de reunirem as condições necessárias... gostaria de saber para quando está programada a limpeza das palmeiras que existem em toda a extensão das ruas de Vila Chã e de acesso ao Casal das Brancas? Já passaram mais uns meses... e continua tudo na mesma...!!! Estão naquele estado lastimável há anos, sem um mínimo de manutenção ou tratamento.

Aguardo resposta. Subscrevo-me com os melhores cumprimentos.

Pelo Munícipe

José Felicia


-------------------------

Resposta do Gabinete do Vereador Gabriel Oliveira:

Exmo. Senhor
Jose Alberto Felicia

ASSUNTO: Vila Chã e Casal das Brancas – Palmeiras

Exmº Senhor,

Em resposta ao correio eletrónico enviado por V. Exª e no âmbito do assunto em apreço, cumpre informar que a Câmara Municipal da Amadora encontra-se a realizar a poda das árvores em todo o Município, como é do vosso conhecimento, a Avenida das Palmeiras será a seu tempo contemplada para a poda necessária.

Com os melhores cumprimentos,


Gabriel de Oliveira, engº
Vereador

segunda-feira, 2 de março de 2015

Vila Chã - Esquadra da Polícia

E-mail enviado por José Felícia, em 25-02-2015, ao Gabinete de Imprensa e Relações Públicas da Direcção Nacional da Polícia de Segurança Pública com conhecimentos do Gabinete da Presidência, Gabinete do Vereador Gabriel Oliveira, Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública e do nosso blogue:

Boa tarde,

Tendo já passado alguns anos... desde 2011 até agora….venho por este meio solicitar um ponto de situação sobre a prometida instalação da esquadra de Policia na Vila Chã que tem já inclusive um terreno para ser implantada... esteve também um grande outdoor a informar de que iria ser ali...!!!

Acontece que cada vez mais estamos a ser confrontados com assaltos e roubos... inclusive à mão armada (segundo uma informação).

Agradeço desde já a vossa melhor análise a este processo.

MC,

José Alberto


-------------------------

E-mail enviado, em 03-08-2011, ao Gabinete de Imprensa e Relações Públicas da Direcção Nacional e Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública:

Boa tarde,

Peço desculpa para insistência… acontece que nunca recebi uma resposta por parte de alguem relativa à minha exposição…!!!

Será que me podem facultar o endereço de e-mail para eu próprio os poder questionar em relação a este tema…???!!!

Mais vale se não forem fazer nada ali no espaço que vão retirar o placard com o anuncio…!!!

Cumprimentos,

José Alberto


-------------------------

Resposta, em 09-08-2011, do Gabinete de Imprensa e Relações Públicas da Direcção Nacional da Polícia de Segurança Pública:

Exmo. Senhor José Alberto,

O Gabinete de Imprensa e Relações Públicas da Direcção Nacional da Polícia de Segurança Pública acusa a recepção do seu e-mail e informa Vª Exª que, sobre o assunto, a PSP não dispõe de mais informações para além das já, anteriormente, prestadas.

Com os melhores cumprimentos


-------------------------

E-mail enviado, em 24-05-2011, à Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública com o conhecimento do Gabinete do Vereador Gabriel Oliveira:

Boa tarde,

Sabem por acaso se houve algum desenvolvimento ao meu pedido de esclarecimento?

É que até agora, não recebi nenhuma resposta por parte da Direcção Nacional da Policia de Segurança Publica, e o terreno continua sem nada e o próprio cartaz a publicitar a instalação já está inclusivé "pálido…!!!".

Cumprimentos,

José Alberto


-------------------------

Resposta, em 24-05-2011, da Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública:

Boa tarde, o seu e-mail foi novamente reencaminhado para a Direcção Nacional da PSP.

Melhores cumprimentos


-------------------------

E-mail enviado, em 17-03-2011, à Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública com o conhecimento do Gabinete do Vereador Gabriel Oliveira:

Boa tarde,

Na sequencia da resposta recebida, já existe algum desenvolvimento sobre todo este processo, é que a publicidade colocada no local já tem meses ...!!! está inclusivé com cores já sumidas, o terreno que na altura foi "desbravado" já está completamente "inundado" de arbustos e ervas...!!!

A instalação ali da esquadra de certeza que provocaria uma diminuição do numero de assaltos na zona, segundo sei, tem ocorrido alguns assaltos nos prédios.

Cumprimentos,

José Alberto


-------------------------

Resposta, em 18-03-2011, da Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública:

Exmo. Senhor,

Agradecendo o seu contacto, informamos que o seu e-mail foi reencaminhado para a Direcção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Os melhores cumprimentos


-------------------------

E-mail enviado, em 03-11-2010, à Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública:

Boa tarde,

Na sequência da minha exposição e da resposta recebida, serve o presente para solicitar o ponto de situação sobre para quando está prevista a implementação da referida esquadra, tomando em consideração o local em questão, é premente a rápida instalação da mesma.

Agradeço desde já a atenção e tempo gasto com este meu e-mail.

Cumprimentos,

José Alberto


-------------------------

Resposta, em 03-11-2010, da Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública:

Boa tarde, o seu e-mail foi reencaminhado para a Direcção Nacional da PSP.
Melhores cumprimentos


-------------------------

Resposta, em 08-11-2010, de Fábio Castro:

Ex.º Sr. José Alberto Felicia

A PSP agradece o seu contacto e informa-o que estão a ser desenvolvidos trabalhos preparatórios entre o Ministério da Administração Interna, Câmara Municipal da Amadora e Polícia de Segurança Pública, no sentido de dar início às obras para construção da Divisão Policial da Amadora nos mencionados terrenos. Não existem de momento datas concretas para o seu início, prevendo-se contudo que estas sejam realizadas a breve trecho.

Com os meus cumprimentos.


-------------------------

Resposta, em 08-11-2010, da Divisão de Informação e Relações Publicas da Polícia de Segurança Pública:

Boa tarde, enviamos informação oriunda da Direcção Nacional da PSP.
Melhores cumprimentos


-------------------------

E-mail enviado ao Gabinete do Vereador Gabriel Oliveira:

Boa tarde,

Como morador na Vila Chã, venho por este meio solicitar a informação de para quando começam as obras para implementar a nova esquadra?

É que o anuncio ali colocado já tem muitos e muitos meses sem que ninguém ali fizesse nada... !!! apenas limparam na altura o espaço que entretanto já foi "invadido" pelos arbustos e erva ...!!! (este tipo de "paisagem" deve ser normal visualizarmos nesta zona... tanto são os espaços "minados" com isso...!!!! e que alguns já reportei, e que até agora nada fizeram ou "obrigaram" os proprietários a fazer uma limpeza.

Será que o anuncio apenas teve a ver com a realização das eleições...???!!! Espero que não...!!! O país já está farto de promessas...!!!

É necessário a implementação da esquadra, pois, segundo sei, tem havido alguns assaltos ali pela zona, tem inclusivé entrado em garagens dos Prédios.

Estou certo de que todos os actuais moradores e próximos vão agradecer muito a realização dos trabalhos.

Cumprimentos,

José Alberto


-------------------------

Resposta, em 08-11-2010, do Gabinete do Vereador Gabriel Oliveira:

Exmo. Senhor
José Alberto Martins Felicia

Assunto: Vila Chã – Esquadra da Polícia

Antes de mais queremos agradecer a oportunidade que nos dá para, não só, constatarmos as demais preocupações dos nossos munícipes, sustentado no principio da participação democrática, como também, por esta via podermos informar os mesmos do trabalho realizado por esta autarquia.

Assim, cumpre-nos informar V. Exª que o processo da esquadra é da responsabilidade do Ministério da Administração Interna estando a Câmara Municipal da Amadora muito atenta a este problema.

Com os melhores cumprimentos.

Gabriel de Oliveira, engº
Vereador

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Novo equipamento vai permitir controlar consumo de energia em tempo real

Um grupo liderado por investigadores portugueses criou um equipamento que vai permitir controlar em tempo real o consumo doméstico de energia.

Trata-se de uma plataforma inteligente que funciona em conjunto com os contadores domésticos e fornece ao consumidor a informação sobre quanto e como está a gastar, seja em electricidade, gás ou água.

O director do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, (INESC Porto), João Lopes, que está à frente do projecto, designado "Anyplace", destaca, em declarações à Renascença, a importância do equipamento, porque "as pessoas, normalmente, desconhecem de que forma ligar, por exemplo, um electrodoméstico em casa vai afectar o valor da factura da energia".

João Lopes sublinha que o projecto permitirá ao consumidor "perceber, a todo o momento, de que modo pode utilizar a energia da forma mais eficiente e económica", dando-lhe mais informação - logo, mais poder - para gerir a energia que consome.

O professor e investigador destaca ainda que o equipamento também "ajuda a criar consciência ambiental e energética".

Ainda em fase de testes, o controlador inteligente de energia vai ser adaptável a qualquer habitação e chegará ao mercado em 2017, com um custo máximo de 100 euros.

_____
Fonte: Rádio Renascença, 27-02-2015